Notícia

12 de Janeiro de 2018

Plantas se comunicam por ďinternet de fungosĒ

Ocultos abaixo da superf√≠cie e enredados nas ra√≠zes da assombrosa e diversa vida vegetal da Terra, existe uma superestrada biol√≥gica que vincula entre si a membros do reino vegetal no que os investigadores chamam de ¬ďInternet do Bosque¬Ē. Essa rede org√Ęnica funciona de forma muito parecida com um servi√ßo de internet, permitindo que as plantas possam se comunicar, trazer nutri√ß√£o e at√© danificar outras.

A rede está composta de linhas finas de fungos conhecidos como micélio que crescem abaixo do solo e até o exterior até poucos da sua planta de associação, isto é, que toda a vida da planta dentro de uma região pode ser aproveitada pela rede e conectar entre si. A associação das raízes das plantas e os fungos se conhece como micorriza e é benéfica para as duas partes implicadas; as plantas trazem hidratos de carbono para fungos e, em troca, os fungos ajudam a relocação da água e o aporte de nutrientes como o fósforo e o nitrogênio para a sua planta de associação.

Essa rede fungos permite que as plantas se ajudem no crescimento e no florescimento. A ex-aluna da Universidade de Columbia Brit√Ęnica Suzanne Simard foi a primeira em mostrar que algumas √°rvores eram capazes de transferir carbono √†s √°rvores menores que podem n√£o estar recebendo luz solar suficiente, o que permite que estas pl√Ęntulas cres√ßam √† sombra de outras √°rvores. Simard acredita que muitas das plantas de sementeiros do mundo n√£o seriam capazes de sobreviver se n√£o fosse pela linha de vida que essa rede traz.

Um estudo realizado por Ren Sen Zeng, da Universidade Agrícola da China Meridional descobriu que essa interconectividade também permite que as plantas se advertam mutuamente de danos potenciais. No estudo, a equipe cultivou pares de plantas de tomates em vasos, onde alguns dos pares foram autorizados a formar micorrizas. Quando as redes de fungos se formaram, uma planta de cada foi polvilhada com Alternaria solani, um fungo que causa doença de tição precoce na vida da planta. Bolsas de plástico hermético se usaram para assegurar que não havia interação por cima do solo. Depois de 65 horas, a equipe tentou infectar a segunda planta de cada par e encontrou que aqueles com laços micélios foram muito menos propensos para contrair a praga e tinham níveis muito mais baixos de danos se contraíram os sem micélios.

Fonte: Agrolink

Baixe o APP PRA VOCÊ

Baixe o APP MINHA COTRIPAL

Cotripal - Juntos Somos Mais
Cotripal Agropecu√°ria Cooperativa
Rua Herrmann Meyer, 237
CEP: 98280-000 - Centro
Panambi - RS
Fone: (55) 3375 9000