Notícia

14 de Fevereiro de 2018

Como as plantas equilibram defesa e crescimento

Quando uma planta entra em modo defensivo contra um clima desfavorável ou doenças, isso é bom para a planta, mas ruim para o produtor que cultiva a planta. É ruim porque quando a planta age para se defender, ela apaga o mecanismo de crescimento.

Mas agora pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, como parte de uma colaboração internacional, descobriram como as plantas podem tomar a “decisão” entre defesa e crescimento, descobrindo que pode ajudá-las a chegar a um equilíbrio – mantê-las seguras de danos enquanto que continuam a crescer.

Escrevendo na edição atual da revista dos Procedimentos da Academia Nacional de Ciências da China, Sheng Yang HE, professor de biologia vegetal da Universidade Estadual de Michigan, e sua equipe encontraram dois hormônios que controlam o crescimento (gibberellins) e de defesa (conhecidos como jasmonates) literalmente se juntam em uma crise e descobrem o que fazer.

“O que nós descobrimos é que alguns componentes-chave dos programas de crescimento e de defesa interagem uns com os outros”, diz ele. “A comunicação entre os dois é como as plantas coordenam as duas situações diferentes. Nós agora sabemos onde uma das conexões moleculares elusiva está entre o crescimento e a defesa”, afirmou.

Isso é importante porque agora que os cientistas sabem que isso acontecer, eles podem trabalhar para descobrir como separar as duas. “Talvez em algum nós poderemos geneticamente ou quimicamente modificar as plantas, então elas não se comunicam muito uma com a outra. Isso poderá aumentar os rendimentos e a defesa ao mesmo tempo”, acrescentou o professor.

Desta forma, o professor diz que as plantas são muito parecidas com os humanos. Nós temos somente uma certa quantidade de uso de energia e nós fazemos escolhas de como usá-las. “As plantas, como as pessoas, tem que aprender a priorizar. Você pode usar sua energia para crescimento ou usá-la para defesa, mas não pode usar as duas em nível máximo ao mesmo tempo”, explicou.

O trabalho foi feito em duas diferentes plantas: uma planta com folha estreita e outra com folha larga. Isso foi significativo porque demonstrou que o fenômeno ocorre em uma variedade de plantas.

Sheng Yang foi um dos pesquisadores líder da equipe internacional de cientistas que estudou o caso. Outras instituições incluíram o Instituto de Ciências Biológicas de Shanghai, da Universidade Agrícola Hunan, da Universidade de Arkansas, da Duke, Yake e Penn State. O trabalho foi financiado pelo Instituto Nacional de Saúde, do Departamento de Energia dos Estados Unidos e do Instituto Howard Hughes.

Fonte: Agrolink

Baixe o APP PRA VOCÊ

Baixe o APP MINHA COTRIPAL

Cotripal - Juntos Somos Mais
Cotripal Agropecuária Cooperativa
Rua Herrmann Meyer, 237
CEP: 98280-000 - Centro
Panambi - RS
Fone: (55) 3375 9000